Resenha | M.R. Terci dá continuidade aos horrores de “O Bairro da Cripta” em seu segundo tomo

Antes de qualquer coisa, quero deixar evidente o objetivo desse texto para você, caro leitor. Apesar de isso ser uma resenha, eu pretendo fazer com que você encare e interprete minhas palavras como uma simples indicação de amigo. Leia esse texto como se estivesse lendo uma conversa de um amigo seu – até porque, se você chegou até aqui, posso te considerar um amigo. Sendo assim, o objetivo desse texto – além de compartilhar as minhas impressões e sentimentos – é estabelecer um diálogo com você, ter uma conversa. Sinta-se à vontade, mesmo com todos os horrores.

Leia também: O Bairro da Cripta – tomo I – As Elegias

obairro_1

Quando comentei a respeito do primeiro tomo, destaquei o cenário em que os contos ocorrem, apontando Tebraria como um lugar perfeito para o desenvolvimento de histórias de horror. Faço questão de reforçar isso mais uma vez, pois Tebraria continua horripilante. Chega a ser indescritível a forma como a angustia dos personagens é transmitida, o modo que o medo encontra para nos atingir. Tudo isso, a meu ver, se deve a excelente construção de Tebraria, um lugar que emana pesadelos. A cada página é possível sentir a vida – ou a morte, nesse caso – do ambiente. A manutenção de tudo isso foi muito bem feita durante o segundo tomo, afirmando a capacidade de O Bairro da Cripta como série e provando o cuidado tido para manter a obra bem amarrada. Tebraria ofereceu o mais puro horror neste segundo tomo e não demonstrou, em momento algum, sinais de cansaço. Vale informar que a influencia de Tebraria é tão grande e medonha que consegue atingir até as áreas de sua redondeza. Se você procura por horror, se aventurar por essas terras é uma boa pedida.

obairro_3

Agora, gostaria de destacar um ponto que chama muito a minha atenção em O Bairro da Cripta: a concisão dos contos. É extremamente importante – e impressionante – o fato de cada história se desenvolver em um curto espaço de tempo. Os contos são ágeis, o tipo de leitura que você completa em uma única parada. Vejo isso de maneira muito positiva, principalmente quando se trata de horror, pois a dificuldade de criar todas as sensações que o gênero exige em tão pouco tempo implica em uma capacidade literária muito grande. Mas a concisão não é tudo. O grande destaque fica com a qualidade que cada história proporciona, as surpresas que encontramos em cada conto. A todo momento nos deparamos com os mais diversos medos, sentimos diferentes sensações e somos surpreendidos com cada conclusão. O segundo tomo de O Bairro da Cripta tem um volume constante e consegue marcar o leitor usando o medo como principal ferramenta. Uma obra que traz originalidade em cada página e mantém seu alto nível do começo ao fim.

obairro_2

Ler O Bairro da Cripta e não se sentir atraído pela escrita de M.R. Terci é tão impossível quanto escrever esse texto e não reservar um espaço unicamente para isso. Quem disse que o horror não pode ser belo? Terci escreve de forma tão cuidadosa que suas palavras dão brilho ao gênero – aponta luz para onde o domínio da escuridão é o mais comum. Apesar de funcionar como puro entretenimento, suas histórias vão além. Ao ler seus contos nos deparamos com um resgate da língua portuguesa, e isso, por sua vez, demonstra que é possível atrelar entretenimento e conhecimento. É possível, sim, fazer do horror uma grande arte. Este segundo tomo serviu para reafirmar a competência de Terci como autor e, ainda por cima, o colocou de vez entre os meus autores nacionais favoritos. Não é necessário apelar para autores estrangeiros ou ir muito longe para encontrar literatura de horror de altíssimo nível, temos conteúdo que não fica devendo em nada para o que vem de fora – M.R. Terci é capaz de provar isso com O Bairro da Cripta em uma única oportunidade.

obairro_4

Acredito que isso seja o suficiente para entender o que te espera no segundo tomo da série. Mesmo não comentando os contos de maneira individual, é fácil deduzir o que estará presente em cada um deles: medo, dos mais variados tipos. Espero que você tenha levado a sério o meu conselho lá no começo e lido esse texto como indicação de um amigo. Espero que veja isso como uma boa indicação. Caso tenha interesse em adquirir essa e outras obras do autor, acesse: www.mrterci.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s